PAPO ABERTO

Resistente a crises

A recessão não escolhe vítimas. Negócios de diferentes portes e setores são atingidos indiscriminadamente. No entanto, algumas empresas sofrem menos. Por quê? O que torna um empreendimento mais resistente às turbulências do que outros? Para responder a essa pergunta, devemos olhar a gestão.
 
Evidentemente, o que aumenta a imunidade é o conjunto da obra, isto é, a soma de todos os aspectos que envolvem um negócio. É preciso ter qualidade no produto ou serviço, no atendimento, nas instalações, na equipe, no marketing, etc.
 
Já as finanças constituem um caso especial. Em primeiro lugar, os negócios sólidos são os que mantêm um controle rigoroso de custos e trabalham permanentemente para diminuí-los. É o princípio de gastar o menos possível, de forma racional e sem desperdícios. 
 
Uma segunda particularidade diz respeito à poupança. As empresas mais fortes fazem economia para a época de vacas magras. Ter reservas permite apertar o cinto nas fases difíceis sem sufocar o empreendimento. É a tal da gordura para queimar, analogia clichê, mas verdadeira.
 
O terceiro fator para suportar as turbulências da economia é o que chamamos de fazer caixa, ou seja, vender. Obviamente, quanto mais vendas, mais verba. Aqui, como desdobramento, entram todas as estratégias para impulsionar o faturamento. No entanto, volto a bater na mesma tecla: os recursos têm de ser bem gerenciados ou o que seria um colchão capaz de amenizar impactos terá eficácia restrita e talvez insuficiente.
 
O bom uso do dinheiro se faz por meio do controle do capital de giro, que são os recursos disponíveis para manter as operações do negócio. Essa verba é a diferença entre o que entra e o que sai. Quando bem administrado, o capital de giro evita a necessidade do empresário recorrer a empréstimos para tocar o dia a dia e tapar buracos nas contas, submetendo-se a juros altos. Note-se que é uma situação diferente de buscar financiamento de forma planejada com o objetivo de se desenvolver. 
 
Por fim, friso que ter poucas dívidas é essencial para aliviar a pressão nos momentos críticos. Nada pior para uma empresa do que uma série de pendências esvaziando ainda mais o bolso. A palavra é solvência: mais ativos do que passivos e uma capacidade de gerar caixa maior do que as dívidas.
 
Raras são as empresas que saem ilesas de uma crise tão aguda como a atual, porém, é possível minimizar os danos. Conte com o Sebrae-SP para isso. 
 
Bruno Caetano é diretor superintendente do Sebrae-SP

por: Bruno Caetano
10/12/2015

Bruno Caetano

Bruno Caetano é diretor superintendente do Sebrae-SP

Contato para a imprensa:
Máquina Public Relations a serviço do Sebrae-SP
Miriam Bizarro – Assessor de Imprensa
Telefones (19) 3025-2981/99602-2770
 

campinas.sebraesp@grupomaquina.com


MAIS ARTIGOS DO COLUNISTA

Nossa Gente

Conheça os nossos colunistas. Toda semana são publicados novos artigos através do canal PAPO ABERTO. Você vai ler sobre dicas de saúde, tecnologia, empreendedorismo e muito mais. Tudo de forma clara e descontraida, do jeito que é a nossa gente.


João R. dos Santos

Jaguariunense empreendedor, detentor dos maiores prêmios da Área de Gestão Admnistrativa

artigos
desde: 31/08/2015


Paulo Skaff

Skaf, além dos negócios, se destacou por sua liderança e inovação como dirigente de entidades do setor, como o Sindicato das Indústrias. Atua hoje como presidente do SEBRAE-SP

artigos
desde: 27/03/2016


Patricia Coelho

A Consultora de Imagem e palestrante Master Coach, Patrícia Coelho autora do website voceeunica.com traz novos conceitos sobre consultoria de imagem, pois estilo é muito além das roupas, da forma de ser e de agir com o mundo. Cada ser é um ser. Não existe ninguém igual a você.

artigos
desde: 01/12/2015


Bruno Caetano

Bruno Caetano é diretor superintendente do Sebrae-SP

artigos
desde: 04/11/2015


®Copyright 2015

Jaguariúna Online.com

Todos os direitos reservados

Outros domínios: guiajaguariuna.com.br jaguariunavirtual.com.br blogdejaguariuna.com.br

Melhor visualizado em navegadores modernos. Resolução mínima de 1024