PAPO ABERTO

O que vem pela frente?

O dono de uma micro ou pequena empresa não teve vida fácil em 2015. Para 2016 a expectativa é um pouco melhor, com a economia ensaiando uma relativa retomada, mas nada que anime muito. 
 
O Produto Interno Bruto (PIB) deve encolher cerca de 3,5% em 2015 (a porcentagem só será conhecida mais adiante) e, em 2016, prevê-se uma queda menor, em torno de 2% no indicador, segundo o Boletim Focus, do Banco Central. A inflação, que vem tendo seguidas elevações, deve recuar, porém o alívio não será grande.
 
Esse panorama se traduz em menos investimentos, redução de empregos, poder de compra das famílias corroído e resultados piores em negócios de todos os setores. 
 
As micro e pequenas empresas, que já sofrem há meses com tombos seguidos no faturamento e dependem muito do mercado consumidor interno, infelizmente, terão de, outra vez, se desdobrar. Para elas, quanto mais rápido a inflação recuar, melhor, pois ajuda na recuperação do poder aquisitivo da população. Podem contribuir os chamados preços administrados (energia elétrica e combustíveis, por exemplo), que em 2015 pressionaram muito a inflação, mas em 2016 tendem a ter reajustes menores. Com menos aperto no bolso, as famílias poderão aumentar suas compras, beneficiando os pequenos negócios.   
 
O dólar também terá sua parcela de influência. Como a cotação subiu bastante em 2015, a manutenção da moeda americana em níveis elevados favorece empresas que concorrem com mercadorias importadas, que chegam por aqui com preços mais altos em reais. 
 
Ao mesmo tempo, quem vende para o exterior pode se beneficiar do câmbio pois seus produtos ficam mais baratos em dólares. Como as micro e pequenas empresas brasileiras têm pouca participação nesse mercado, a possibilidade de ganho delas vem do fornecimento de insumos, componentes e peças para as grandes que dominam as vendas para fora.  
 
Diante desse quadro, o dono de um micro ou pequeno negócio deve reforçar a aplicação dos princípios básicos do empreendedorismo: planejamento, boa gestão, atenção total às finanças (equilíbrio nas contas, corte de desperdícios e enxugamento de custos), atendimento impecável e uso de estratégias de marketing. 
 
O momento é de superação e só quem estiver preparado será capaz de suportar as dificuldades. Conte com o Sebrae-SP para direcionar seu trabalho e vencer esse momento de turbulência.
 
Bruno Caetano é diretor superintendente do Sebrae-SP

por: Bruno Caetano
14/01/2016

Bruno Caetano

Bruno Caetano é diretor superintendente do Sebrae-SP

Contato para a imprensa:
Máquina Public Relations a serviço do Sebrae-SP
Miriam Bizarro – Assessor de Imprensa
Telefones (19) 3025-2981/99602-2770
 

campinas.sebraesp@grupomaquina.com


MAIS ARTIGOS DO COLUNISTA

Nossa Gente

Conheça os nossos colunistas. Toda semana são publicados novos artigos através do canal PAPO ABERTO. Você vai ler sobre dicas de saúde, tecnologia, empreendedorismo e muito mais. Tudo de forma clara e descontraida, do jeito que é a nossa gente.


®Copyright 2015

Jaguariúna Online.com

Todos os direitos reservados

Outros domínios: guiajaguariuna.com.br jaguariunavirtual.com.br blogdejaguariuna.com.br

Desenvolvido por e-rooster.com